terça-feira, 31 de maio de 2016

Percursos


Compartilho com vocês a minha alegria de participar da exposição coletiva “Percursos”, de 31 de maio a 30 de junho de 2016, em comemoração aos 13 anos da Galeria Vicente Leite, da FA7.

Abertura: Hoje, terça-feira, às 20h.

Galeria Vicente Leite: Rua Almirante Maximiano da Fonseca, 1395 / Fa7.

segunda-feira, 30 de maio de 2016

Galeria Urbana

video

Joana e Totonho Laprovitera participam da intervenção Galeria Urbana, no Centro Cultural Gam, em Santiago, Chile.

domingo, 29 de maio de 2016

Mucuripe

video

Fim de tarde... O sol se pondo... A noite chegando... Nos vaivéns das ondas, a música mergulha nas águas e navega nos sonhos da enseada do Mucuripe.

domingo, 1 de maio de 2016

Provérbio português


"Onde se come, ficam migalhas."

Pessoas felizes, empresa sustentável

Fernando Mantovani é managing director da Robert Half.

Por Fernando Mantovani

"Sustentabilidade é um tema em voga há alguns anos. Ao contrário do que muitos pensam, porém, esse termo não trata apenas de ações voltadas ao meio ambiente. Empresas sustentáveis vão além disso – elas pensam em todos os públicos, no impacto causado sobre as comunidades onde atuam, saúde financeira, relacionamento com clientes, fornecedores e funcionários. E é esse último que mais nos interessa, já que esse é um blog de carreira.

Empresas que ouvem, respeitam e reconhecem seus funcionários garantem uma sustentabilidade maior do negócio. Isso cria um círculo virtuoso: quem é respeitado passa a respeitar a empresa de volta, se sente responsável e se engaja com os projetos da companhia. Muitos passam a desenvolver um sentimento de 'dono': o objetivo do colaborador passa a ser fazer a empresa crescer, porque assim ele cresce junto.

É claro que na maioria das organizações isso ainda é uma utopia. Essa sustentabilidade se conquista com a implementação de uma cultura que preze princípios como ética, honestidade, meritocracia, reconhecimento. Não é algo feito de um dia para o outro. Felizmente essas empresas estão em número cada vez maior, porque crescem e ganham mercado, consequentemente atraindo bons profissionais.

O lado vicioso desse círculo é quando a empresa não se preocupa em preparar gestores, em valorizar seus talentos, em observar o comportamento dos líderes com suas equipes. A parte da liderança é vital para as empresas porque é o maior foco de pedidos de demissão – hoje os profissionais já não suportam maus chefes. Um sinal de alerta é uma rotatividade alta demais em alguma equipe. No curto e médio prazos, essa rotatividade gera custos com desligamento, novas contratações, treinamentos técnicos. No longo prazo, a empresa passa a ter problemas mais sérios com gestão de conhecimento e reputação. E isso pode custar a sobrevivência no mercado.

Ainda há quem deixe esse aspecto da sustentabilidade de lado, mas é sempre bom lembrar que uma empresa é feita de pessoas. Lucros, projetos e ganho de mercado são apenas um resultado do esforço de todos esses profissionais, que estão lá com propósitos, sonhos e vontade de produzir. Proporcionar isso é bom para todo mundo – e pode significar o sucesso do seu negócio."