domingo, 31 de agosto de 2014

Confúcio no Sertão


Era tarde da noite quando o carro do Sitônio começou a falhar feio, em tempo de dar o prego. Nada demais, se ele não estivesse viajando por estrada erma. Não teve dúvida, parou no primeiro lugarejo que encontrou e, batendo à porta de uma borracharia 24 horas, dando boa noite, perguntou:

- O senhor sabe me dizer onde encontro um mecânico?
- Também sou mecânico. Bocejando, respondeu o cidadão.
- É que meu carro tá falhando que só...
- Aí, ou é platinado, ou é vela...
- O senhor pode examinar?
- Claro... Ajeitando a embira da surrada bermuda.

Pois bem, mesmo naquela treva toda, o mecânico abriu o capô do aguerrido Corcel II e pôs-se a estudar o problema. Logo, tirou as velas e, com um isqueiro, começou a esquentar cada uma delas, pacientemente. As colocou de volta, verificou se a marcha estava em ponto-morto, deu partida na chave e pei-bufo: o motor parecia um reloginho suíço funcionando!

- Mas você é um craque! Comentou Sitônio.
- Bondade sua...
- É, e tem mais, você fez todo o serviço no maior breu...
- É que eu gosto de ler provérbio chinês...
- Agora eu não entendi!
- Confúcio dizia: “Mais vale acender uma vela do que amaldiçoar a escuridão!”.

(Fotos: Google)

Nenhum comentário:

Postar um comentário