domingo, 5 de abril de 2015

Pereirinha, o homem-sirene


A moda era a das carreatas políticas, quando lá pelo início dos anos 1990, em Massapê, havia um cidadão que, seguramente posto, bem sentado, no capô da camioneta que encabeçava a fila de veículos, abria o cortejo carregado de candidatos, autoridades, personalidades, eleitores e curiosos.

Pois bem, o cidadão era o Pereirinha, figura por demais popular na cidade, que imitava pra ninguém botar defeito uma possante sirene, daquelas gasguitas de ambulância, polícia ou bombeiros, em avexada operação de emergência! 

Ocorre que numa das vezes, a sirene emudeceu. Aflitos, os organizadores da carreata procuraram saber o xis do problema que começava a afligir a marcha. Mandaram o Pereirinha abrir a boca e, de cara, o seguinte problema foi constatado: a nova dentadura postiça entalava e impedia os precisos movimentos da musculatura bucal que arranjava a sonoridade da sirene. Daí, pediram a perereca de volta e, é claro, Pereirinha se negou a devolvê-la. Conversa vai, conversa vem, eis a solução, atendida de imediato: na hora da buzinação, Pereirinha tirava a perereca da boca, que ficava se rindo em sua mão, e a sirene rasgava a avisar que a carreata estava passando! 

(Foto: Google)

Nenhum comentário:

Postar um comentário