segunda-feira, 4 de maio de 2015

Na farmácia, em Brasília

Antonio Carlos Moraes de Castro.

Por ocasião de uma reunião do Conselho Superior do Instituto de Arquitetos do Brasil, em Brasília, eu, com os colegas, Moraes de Castro e Cláudio Levitan, passávamos pelo Conjunto Nacional, quando o brincalhão Moraes pediu que entrássemos com ele numa farmácia. Para minha surpresa, eis o diálogo dele com o balconista:

- Por gentileza, o senhor tem Levitan 500 mg?
- Qual o laboratório?
- Laprovitera.
- Um instante, senhor.

Depois de alguns minutos, o balconista voltou com um livro da farmácia e, mentirosamente, justificou:

- Infelizmente, senhor, Levitan 500 mg está em falta, mas acabo de verificar que o pedido dele já foi encaminhado ao Laboratório Laprovitera.

Nenhum comentário:

Postar um comentário