quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

Besouro Verde


O meu primeiro carro foi um simpático Volkswagen 1200, ano 1962. Apelidado de Besouro Verde pelo meu irmão Gera, o veículo era um verdadeiro herói pelas ruas e avenidas descalças ou de pedra tosca, da então menina Fortaleza de Nossa Senhora da Assunção. 

Nele, em meados dos anos 1970, eu ia ao colégio e passeava pela cidade com a maior tranquilidade do mundo. Naquela época, o único perigo que me ameaçava era o de levar uma carreira de algum Tetéu (viatura do DETRAN), em busca dos imberbes sem carteira de motorista. No entanto, creiam, eu nunca cheguei a puxar 100 Km/h nele. 

Ô fusca amigo! Bastava o cheiro de gasolina para andar e só dava prego se fosse de pneu. E, invocado que só, na escuridão, quando eu o acelerava seus faróis aumentavam a intensidade da luz. 

E tem mais, se ele andasse só, certamente, à noite, iria diretinho ao Patinação Clube ou à então Praia do Futuro “Familiar”. Pense em um carro farrista e presepeiro!

Saudade do Besouro Verde... Bem, depois eu conto mais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário